Conhecer profundamente a área de atuação de uma empresa é essencial, não só para garantir a sobrevivência do empreendimento, mas também para otimizar processos e expandir o alcance da marca. Nesse sentido, é muito provável que o geomarketing, a essa altura do campeonato, já tenha se tornado um termo bem conhecido para donos de empresas e tomadores de decisões estratégicas.

As novas tecnologias que surgiram com o tempo certamente foram responsáveis por mudar paradigmas, além de transformar os modelos de negócios que são seguidos por empresários há décadas. As análises de dados também acompanharam essa evolução. Muitas empresas praticavam análises de mercado com métodos específicos, porém, acabaram por descobrir que suas práticas se tornaram defasadas diante das novas possibilidades oriundas de programas e ferramentas de geomarketing.

Umas das lições que presidentes e diretores aprendem com a maior facilidade é a impossibilidade de seguir modelos fixos de negócios. Diariamente os negócios são transformados e alterados, sendo influenciados pelas constantes mudanças que ocorrem na sociedade. Os indicadores sócio demográficos mudam a todo o momento. É possível perceber a elevação no crescimento populacional como prova de que novos planejamentos e modelos de negócios serão necessários para atender a um público cada vez mais exigente e diverso.

Indicadores econômicos, demográficos e de consumo revelam apenas a ponta do iceberg

No entanto, os indicadores econômicos, demográficos e de consumo, fornecidos por uma base de dados que abrange uma quantidade extensa de variáveis, revelam apenas a ponta do iceberg. O passo seguinte, em um planejamento estratégico corporativo, envolve realizar o cruzamento dos dados geodemográficos entre si, bem como avaliar a sinergia dessas informações em relação às empresas e polos geradores de fluxo em regiões de interesse. O resultado desses cruzamentos, enfim, pode fornecer insights extremamente valiosos para qualquer organização.

A percepção ampliada das características do mercado em que uma empresa atua servirá como um recurso inestimável quando, por exemplo, o resultado da análise apontar quais razões levam um indivíduo a trocar um carro por uma bicicleta; se a sua renda é compatível com os preços praticados na região; quais as regiões preferidas por estudantes para domicílios ou por famílias constituídas em três ou mais membros; ou analisar a relação entre escolarização e consumo alimentício.

Há, portanto, uma infinidade de oportunidades interessantes para serem analisadas que (nesse caso, não seria nem exagero dizer: o céu é o limite) permitem identificar novos mercados e afunilar novas áreas de atuação. Quando analisados minuciosamente, esses dados revelam as tendências e os parâmetros que indicarão os investimentos que devem ser realizados. Uma empresa que vai além da análise demográfica e passa a incluir projeções com base em cruzamento de dados, consegue antecipar necessidades e estabelecer o seu domínio no segmento.

A segmentação geodemográfica é essencial para empresas que pretendem desenvolver análises geomercadológicas frequentes e buscam autonomia e independência. A Cognatis oferece duas modalidades de segmentação geodemográfica: por município e por vizinhança. Ao ser integrada à plataforma NETtool®, transforma-se na mais poderosa ferramenta de inteligência geomercadológica disponível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *