O mundo do entretenimento vive atualmente uma febre sentida ao redor de todo o planeta. O mercado geek confirmou ser uma força mercadológica extraordinária que movimenta consumidores de diferentes regiões e culturas em direção aos produtos associados a esse universo de fantasia e ficção científica. A propagação desse gênero invadiu definitivamente diversos segmentos do entretenimento, e hoje sua presença é percebida em uma avalanche de filmes, séries, games, livros, brinquedos e itens de coleção.

Apesar da longa trajetória percorrida pelo universo geek no século XX e a sua gradativa ramificação na cultura popular, a consolidação desse mercado como uma potência global ocorreu efetivamente com a inclusão digital, o acesso à web, e a progressiva profusão de novas tecnologias.

Com o tempo, setores voltados para o consumo e para o varejo buscaram se adaptar à disseminação da cultura geek no mercado, aderindo às preferências do público por produtos que se relacionassem ao negócio, como a venda de camisetas, canecas, materiais de escritório e outros itens que capturam a essência geek.

Uma pesquisa promovida pelo site Omelete no final de 2014, revelou interessantes números sobre o perfil desse consumidor que não está necessariamente atrelado à imagem de uma persona estereotipada. O levantamento descobriu que uma esmagadora maioria (94%) faz compras pela web – a média brasileira é de 20%. A pesquisa mostrou que 85,8% possuem smartphones e 34,90% já adquiriram um tablet.

O estudo reuniu dados de aproximadamente 12 mil pessoas, com participação majoritariamente masculina, sendo 83,8% homens contra 16,2% mulheres. Os resultados indicam que a média de idade é de 24,6 anos, e 90% deles têm até 35 anos. São 82,3% solteiros, contra 16,1% casados e 1,6% separados.

Outros dados da pesquisa apontaram que 89,67% não têm filhos e 38,17% são estudantes. Mais da metade afirmou saber falar inglês (54,53%) e dos que jogam vídeo game, 31,60% afirmou jogar frequentemente. A renda familiar com maior predomínio foi compreendida de quatro a dez salários mínimos, com 34,84%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *