Já faz anos que a inteligência de mercado e o GIS (Sistema de Informação Geográfica) se juntaram. Essa fusão foi extremamente benéfica para analistas de mercado. A visualização de dados dispostos em um mapa, se comparados com tabelas ou gráficos, é visualmente mais interessante e esclarecedora.

Pense por exemplo, em avaliar uma cidade como Belo Horizonte. Poderíamos analisar estatísticas sobre alguns bairros da capital mineira sem necessariamente relacioná-los. A base de dados do GEOpop® da Cognatis, revela, por exemplo, que a região com o maior número de chefes de família com ensino superior, localiza-se no bairro Buritis, com 7.312 indivíduos; em seguida estão Santo Antônio, Lourdes, Sion e Serra. Outro dado que capturamos indica que Buritis também é o bairro com o maior número de famílias com crianças de até nove anos, com 3.765. Nesse caso, os bairros que seguiram no ranking foram Lindéia, Céu Azul, Jardim Dos Comerciarios e Alto Vera Cruz.

Como tirar alguma conclusão apenas por esses números apresentados em uma tabela? Será que hoje em dia ainda é possível tirar conclusões satisfatórias avaliando números em um gráfico?

Por que não aplicar esses dados em um mapa que apresente a visualização dessas informações com a densidade de acordo com a variável selecionada? Se aplicássemos as mesmas variáveis citadas anteriormente, chefes de família com ensino superior e famílias com crianças de até nove anos, poderíamos enxergar com mais clareza a relação entre essas duas categorias e como elas estão distribuídas na cidade.

Não é capricho que empresas busquem serviços de geomarketing para conquistar vantagens competitivas no mercado.

Muitas das análises de inteligência de mercado incorporam (ou deveriam incorporar) a tecnologia GIS. Ao combinar os dois conceitos, uma empresa consegue transformar dados isolados em relatórios significativos e responder a questões como:

  • Quantos clientes estão a uma distância de carro de cinco minutos?
  • Quais são os estabelecimentos ou concorrentes que estão localizados dentro de uma região específica?
  • Qual é o perfil dos transeuntes de um lugar?
  • Qual o impacto da minha campanha de marketing em um bairro?
  • Quantas pessoas atendem ao perfil do meu público-alvo?

As vantagens competitivas são obtidas quando uma empresa consegue reunir e visualizar dados geodemográficos integrados em uma plataforma intuitiva e prática. Uma ferramenta de geomarketing, como a NETtool® da Cognatis, permite que uma empresa entenda, antecipe e aprimore os processos e atividades de seu negócio ao explorar o poder da inteligência geográfica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *