Em um esforço para organizar os dados e tendências futuras baseadas em informações demográficas, muitas organizações se apoiam em análises estatísticas.

Enquanto empresas são bombardeadas com opções sobre o que fazer com o big data, as análises estatísticas são uma das maneiras para examinar o panorama geral de um negócio, bem como diferentes mercados individualmente.

Os resultados das análises estatísticas são frutos de serviços de inteligência de mercado que envolvem a coleta e o exame detalhado dos dados de um negócio. O exame também é responsável por delinear as tendências mercadológicas com base em cada informação demográfica de uma população.

Existem dois tipos de análises estatísticas: descritivas e conclusivas.

Análises descritivas

As análises descritivas são utilizadas para que organizações possam resumir os dados do mercado em que atuam. Esse tipo de análise pretende apenas apresentar dados sobre o segmento e setor com a utilização de mapas, gráficos e tabelas.

Como os gráficos, tabelas e mapas são componentes primários de uma análise, costumam ser utilizados para facilitar a compreensão de dados brutos. São utilizados para apresentar os dados de uma maneira mais significativa, favorecendo a interpretação do panorama atual do mercado.

Análises conclusivas

As análises conclusivas são elaboradas para estudar os dados coletados de uma maneira ainda mais objetiva, pois partem de perguntas muito específicas que deverão ser respondidas através do processo analítico. Estatísticas conclusivas permitem que organizações testem hipóteses e cheguem a conclusões sobre a causalidade entre os fatores analisados. Por exemplo, se uma análise descritiva é adequada para compreendermos o perfil da população de um mercado, somente através da análise conclusiva poderemos saber quais fatores demográficos ou econômicos resultam no comportamento de consumo de interesse, bem como entender os mecanismos através dos quais estas relações operam.

No fim das contas, como nem todo mundo é um gênio matemático capacitado a computar facilmente as extensas estatísticas geradas em um mercado, as organizações acabam recorrendo a algum tipo de serviço de inteligência de mercado.

Geomarketing e Estatística

Muitas empresas de geomarketing desenvolvem seus estudos e projetos baseados em regras de negócios empíricas e subjetivas, normalmente oriundas da percepção e experiência dos executivos e analistas. A Cognatis sempre se diferenciou destas empresas por acreditar que a análise estatística, seja de natureza descritiva, exploratória ou conclusiva, pode e deve ser utilizada juntamente com o conhecimento prático do negócio, a fim de gerar resultados mais objetivos e confiáveis. A estatística pode contribuir para análises de geomarketing de diversos modos, como a busca de padrões espaciais e geodemográficos que expliquem, estatisticamente, o que diferencia pontos de vendas com um bom desempenho dos demais. Outra aplicação importante desta ferramenta se dá na construção de dados mercadológicos atualizados e confiáveis, que servem de combustível para estudos e projetos bem sucedidos.

Por meio de uma ferramenta como a NETtool® Analytics, também desenvolvida pela Cognatis, qualquer empresa pode transformar mapas e tabelas em análises descritivas ou conclusivas, desenvolvendo seus próprios projetos de geomarketing com agilidade e autonomia.

Com Business News Daily

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *